Pequeno produtor pode aumentar renda com atividade leiteira

Emater-DF

Emater-DF realiza primeiro Dia de Campo do programa Brasília Leite Sustentável

O produtor rural Flávio Franklin Guimarães possuía alguns cavalos e vacas, mas trabalhava com serviços diversos. Morador do núcleo rural Barra Alta (região administrativa de Planaltina), ele e sua mulher, Elisabete Pereira de Souza, ingressaram no programa Brasília Leite Sustentável em novembro do ano passado. Desde então, ele passou a se dedicar inteiramente à atividade e viu sua produção aumentar. Tirando 50 litros de leite por dia atualmente, sua meta é chegar a 200 litros. O casal abriu sua propriedade para a realização do primeiro Dia de Campo do projeto, na manhã desta terça-feira. Mais de 70 produtores participaram do evento. Continue lendo

Senado proíbe diferenciação de preços pagos a produtores de leite

Divulgação

A Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado (CRA) aprovou nesta quinta-feira (15), terminativamente , projeto que proíbe a diferenciação de preços pagos pelas empresas de laticínios a produtores de leite. A proposta também obriga essas indústrias a informar ao produtores o preço pago pelo litro e leite até o dia 25 do mês anterior à entrega. O projeto agora vai à sanção.

Pelo projeto (PLC 80/11), de autoria do deputado Reginaldo Lopes (PT-MG), a empresa que pagar preços diferenciados aos seus fornecedores estarão sujeitas a pagar indenização à parte prejudicada.

Além disso, caso seja descumprida a determinação de informar o preço que será pago pelo litro do leite até o dia 25 do mês anterior, a proposta determina que a empresa de laticínios pagará ao produtor o maior preço praticado no mercado.

Na justificativa do projeto, o deputado Reginaldo Lopes critica as prática das empresas de laticínios em sua relação com os produtores de leite, como o pagamento de preços mais baixos aos fornecedores que produzem menos e a falta de transparência com relação aos preços praticados. Segundo ele, nessa atividade, “o vendedor só fica sabendo o preço depois de quarenta e cinco dias, em média, do produto vendido”.

O relator, senador Acir Gurgacz (PDT-RO), recomendou a aprovação e salientou que o projeto dará ao setor brasileiro maior estabilidade nas relações comerciais entre produtores de leite e empresas que processam o produto.

“De fato, há uma relação desigual e de maior exposição dos médios e pequenos empreendimentos ao risco quando o laticínio adquire o leite do produtor, mas não lhe informa antecipadamente o preço que pagará pelo produto” – disse o senador.

Ele destacou ainda que o planejamento da atividade leiteira, como qualquer outra, demanda informações antecipadas sobre os custos de produção e os preços do produto.

“Obrigar os laticínios a divulgar os preços que serão pagos até o dia 25 de cada mês permite ao produtor, ao menos, optar por outro laticínio (quando possível), barganhar melhores preços ou mesmo planejar o aumento ou a redução do uso de insumos na produção, a fim de obter a melhor relação custo-benefício de sua atividade”.

Após a aprovação, o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) ressaltou que saber o valor do produto antecipadamente é uma antiga reivindicação dos produtores de leite.

- É justo que os produtores de leite possam saber quanto vão receber antes de entregar seu produto – afirmou.

Fonte: Agência Senado

SE: seminário sobre qualidade do leite destaca projeto Balde Cheio

Tobias Barreto/SE – O Balde Cheio, programa de fortalecimento da pecuária leiteira entre pequenos produtores rurais, ganhou destaque no I Seminário Oportunidades Para Melhorar a Qualidade do Leite em Sergipe, realizado na última terça-feira. Em Sergipe, o projeto foi implantado no perímetro irrigado Jabiberi, no município de Tobias Barreto, através da parceria entre a Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), o Sebrae, o Banco do Brasil e o Banco do Nordeste.

Para falar sobre o projeto, que conseguiu dobrar a produção de leite no perímetro em menos de dois anos, o zootecnista mestre em produção animal e consultor do Sebrae, José Sidnei Bezerra, ministrou uma palestra. “O que importa no projeto Balde Cheio são as pessoas. As outras etapas que utilizamos como silagem e roteamento são ferramentas para ajudar os produtores. O objetivo é dar dignidade ao produtor. Mostrar que é possível viver em uma pequena propriedade produzindo leite”, afirmou José Sidnei.

O seminário contou com a presença dos produtores que aderiram ao projeto em Tobias Barreto. Entre eles Pedro Vidal, um ex-funcionário de fazenda que virou patrão. O lote 52, do qual é proprietário, tornou-se referência depois que a produção cresceu de 20 litros/dia para 250 litros em dois anos, em uma área de 1,3 ha com 13 cabeças de gado. Antigamente a produção ficava em torno de nove até 20 litros/dia. O pequeno produtor pretende chegar aos 450 litros em dois anos, quando a metodologia do projeto terá sido repassada por completo aos participantes.

O diretor de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola da Cohidro, João Quintiliano, acredita que o projeto reflete uma nova realidade da pecuária leiteira no estado. “Esse evento mostra, mais uma vez, que o Balde Cheio é sucesso por dois anos seguidos e que é importante, pois resgata a autoestima do produtor. Mostrando que sim, é possível produzir leite de qualidade e em grande quantidade em Sergipe”, ressaltou Quintiliano.

O secretário da Agricultura de Nossa Senhora do Socorro, Carlos Valério, contou que há muito interesse do município em implantar projetos que envolvam agricultura e pecuária. “Não é o forte de Socorro o agronegócio, mas estamos tentando começar esse segmento através do Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (Pais). É uma aventura que estamos fazendo. Mas com uma boa iniciativa dos órgãos envolvidos podemos emplacar projetos como o Balde Cheio”, disse.

Fonte: Governo de Sergipe

Minas Leite será destaque na Superleite 2011 em Pompéu

O Programa Estadual da Cadeia Produtiva do Leite (Minas Leite) será destaque durante um dia inteiro na 2ª edição da Superleite 2011, que acontecerá no período de 13 a 16 de julho, em Pompéu, região Central do Estado. Está agendado para o dia 13 de julho, o Encontro Estadual do Minas Leite, no parque de exposições do município com uma programação que inclui importantes palestras sobre a atividade de bovinocultura de leite no Estado. A iniciativa é da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa). A Superleite é uma realização do Sindicato dos Produtores Rurais de Pompéu. 

O Minas Leite é um programa da Seapa, operacionalizado pela Emater-MG ,  por meio do Programa de Qualificação Gerencial e Técnica dos Sistemas de Produção Pecuária Bovina do Estado de Minas Gerais. Segundo o coordenador técnico de Bovinocultura da Emater-MG, Feliciano Nogueira, o Minas Leite tem três pilares: qualificação técnica dos sistemas de produção; qualidade do leite e dos bezerros; e gestão da atividade leiteira. De acordo o coordenador, nesta terceira vertente, “a Emater-MG busca enfatizar junto aos produtores, não apenas o registro contábil da atividade, mas o gerenciamento dos recursos existentes na propriedade”. Nogueira exemplifica: “Quando o produtor   fornece ração concentrada de acordo com o número de animais, ele está fazendo a gestão de um recurso que tem custos para ele. O mesmo ocorre quando faz o manejo de pastagem ou  quando faz uma análise de solo e  precisa saber quanto gastar para recuperar a fertilidade do solo”, explica.

Como gerente da regional Emater-MG de Curvelo, a primeira a adotar o Minas Leite no Estado, Milton Flávio Nunes, testemunha os benefícios que a gestão da atividade trouxe para os pecuaristas da região. “Produtores que tiravam de 100 a 150 litros de leite por dia dobraram de produção, só com a mudança de comportamento”, afirma.  A regional Curvelo gerencia escritórios da Emater-MG em 29 municípios, entre eles, o de Pompéu, onde a Superleite vai reunir produtores e expositores. A maioria desses municípios tem na bovinocultura de leite a principal atividade.

O leite é um dos principais produtos da economia mineira e Minas se destaca como o maior Estado produtor do país com  7,9  bilhões de litros por ano, segundo dados do IBGE de 2009, trabalhados pela Embrapa Gado de Leite. O quantitativo representa 27,2% do total de 29,1 bilhões de litros produzidos no Brasil. O Censo Agropecuário 2006 aponta que a bovinocultura é encontrada em 352.726 estabelecimentos rurais mineiros, ou seja, 64% do total dos 551.617 existentes. Em Pompéu, onde a Superleite substituiu desde o ano passado a exposição agropecuária, o leite ocupa o 3º lugar na produção do Estado e o 5ª no país. O município de Patos de Minas lidera o ranking mineiro e está em 2º lugar na produção nacional.

Normativa 51

Vai entrar em vigor a partir do dia 1ª de julho mais uma etapa  da Instrução Normativa 51 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento de 2002. Pela normativa os produtores de leite deverão se adequar para que as instalações das ordenhas tenham boas condições de higiene para reduzir bactérias do leite e melhorar a qualidade do produto. Por isso, este será um dos assuntos a ser tratado no Encontro do Minas Leite em Pompéu. A palestra “A legislação para a qualidade do leite aplicada nos sistemas de produção”, com a coordenadora técnica Cinthia Leite Madureira vai abordar a questão.

Confira a programação do Encontro Estadual do Minas Leite

Dia 13 de Julho:

9:00 – 10:00 Recepção dos participantes

10:00 – 10:15 Solenidade de abertura da Superleite 2011

10:15 – 11:00 Palestra: “O Programa Minas Leite” – Feliciano Nogueira de Oliveira

11:00- 11:45 Palestra “A eficiência na produção de leite com vacas meio-sangue F1” – José Reinaldo Mendes Ruas

13:45 – 14:30 Palestra: “Recuperação de pastagens por meio da tecnologia de integração lavoura-pecuária e floresta” – Rui da Silva Verneque

16:00 – 16:40 Palestra: “A legislação para a qualidade do leite aplicada nos sistemas de produção” – Cinthya Leite Madureira de Oliveira

16:40 – 17:20 Palestra: “Como diminuir custos e aumentar ganhos na propriedade leiteira” – Marcos Melo Meokarem

17:20 – 17:30 Encerramento do “Encontro Estadual Minas Leite”.

Fonte: Emater-MG

GO: Governador anuncia linha de crédito para o leite

Marconi Anuncia linha de crédito para o leite. Foto: O Hoje

No Dia Mundial do Leite, 02 de junho, o governador Marconi Perillo anunciou a criação de uma linha de crédito especial para os produtores de leite de pequeno e médio porte. O crédito será concedido através da Goiás Fomento. O valor e a formatação das condições para tomada de empréstimo estão em fase final e vão ser divulgados nos próximos dias. O anúncio foi feito durante encontro com produtores de leite e representantes de indústrias do ramo, às 8 horas deste dia 2,no Palácio das Esmeraldas, na Praça Cívica, no Centro de Goiânia.

A princípio, a linha de crédito poderá ser utilizada para troca de tanques de resfriamento, ordenha mecânica e instalação de maquinário e instalações. “Neste dia que a gente comemora o Dia Mundial do Leite, estabelecido pela ONU, é importante a gente dar esta boa notícia”, ressaltou o governador ao ressaltar que tem tomado outras medidas para proteger os produtores goianos de políticas tributárias predatórias praticadas por estados como Minas Gerais e São Paulo.

Marconi adiantou que tem conversado com os governadores e secretários da Fazenda dos dois estados no sentido de buscar uma saída diplomática para o problema. Os estados têm adotado políticas que resultaram em uma guerra fiscal, com prejuízos para produtores de outras regiões. “Tenho dedicado os últimos meses a combater as glosas. Sei o quanto as indústrias tiveram prejuízos por conta desta guerra predatória de São Paulo contra Goiás. Mas estamos buscando uma saída diplomática para solucionar este problema”, explica Marconi Perillo.

O governador também garantiu apoio institucional do governo para patrocínio de campanhas de marketing como incentivo ao consumo de leite pelos goianos. Marconi recebeu das entidades e empresas do setor 68 mil litros de leite, que serão distribuídos pela Organização das Voluntárias de Goiás- OVG a entidades filantrópicas. 

Fonte: O Hoje

Epamig leva miniusina de laticínios para Fenamilho em Patos de Minas

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) vai participar da Fenamilho, em Patos de Minas, nos dias 3 a 12 de junho, também com a miniusina de laticínios Via Láctea, do Instituto de Laticínios Cândido Tostes (ILCT). A tecnologia de fabricação de queijos, bebidas lácteas e iogurtes será apresentada ao público com a instalação da miniusina, que reproduz o funcionamento de uma indústria de lácteos, desde o momento da análise da matéria-prima até a distribuição do produto.

Um estande de vidro vai permitir que o público acompanhe passo a passo todo o processo de produção, em pequena escala, ao mesmo tempo em que um técnico da Epamig responde às perguntas e esclarece as dúvidas de adultos e crianças que participam de visitas direcionadas ao local. Ao final da visita, os participantes recebem informações sobre o como produzir, os equipamentos necessários, a higiene na produção e qualidade dos alimentos.

Na Fenamilho a previsão é processar, diariamente, cerca de 300 litros de leite para a fabricação de iogurte, bebidas lácteas, leite aromatizado de morango, pêssego e ameixa, mussarela, mussarela com azeitona, nozinhos de queijo, queijo Minas frescal e uma novidade especial para o evento: queijo Minas frescal com milho. O público pode degustar todos os laticínios e verificar as características de qualidade do produto final, explica a coordenadora de Transferência e Difusão de Tecnologia do ILCT, Luiza Albuquerque.

 Projeto itinerante

A miniusina Via Láctea é um projeto itinerante do ILCT. A ótima receptividade, segundo a coordenadora Luiza Albuquerque, pode ser mensurada tanto pelo número de visitantes que passa pelo estande da Epamig nos eventos quanto pela grande procura de pessoas interessadas em participar dos cursos e eventos técnicos que o Instituto de Laticínios Cândido Tostes realiza durante o ano.

Em estande anexo à Via Láctea os visitantes terão atendimento através de plantões técnicos com os pesquisadores da Epamig onde, além da consultoria, estarão disponíveis as publicações da Empresa, dentre elas, a recente edição da revista Informe Agropecuário Tecnologias para o Cerrado mineiro.

O projeto Interatividade, Ciência, Tecnologia e Cidadania, apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) e pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)/Ministério da Ciência e Tecnologia, oferecerá degustação de produtos láteos, distribuirá cartilhas relacionas à Ciência e Tecnologia na agropecuária.

A Fenamilho é promovida pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Patos de Minas e pela Prefeitura Municipal de Patos de Minas. Nesta edição são esperados cerca de 350 mil visitantes de todo o país, segundo os organizadores. O evento será realizado no Parque de Exposições da cidade e a programação inclui a 44ª Exposição Regional de Pecuária, 1º Balaio de Arte e Cultura, 1º Fenashopping e 1ª Feira do Agronegócio da Fenamilho.

Fonte: Epamig

Reajuste do salário mínimo e valorização do concentrado e de fertilizantes elevam custo da pecuária leiteira em janeiro, diz CNA

Os custos da pecuária leiteira subiram em janeiro de 2011 em função do reajuste do salário mínimo em 5,9% para R$ 540 nos dois primeiros meses do ano e da valorização do preço do concentrado e de alguns fertilizantes (uréia e supersimples), ambos reajustados em cerca de 5% no mês. No caso dos fertilizantes, o insumo afetou também os custos de manutenção de forrageiras perenes e anuais.

As informações constam no Boletim Ativos da Pecuária de Leite, publicação elaborada pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da Universidade de São Paulo (USP).

De acordo com o estudo, o Custo Operacional Efetivo (COE) e o Custo Operacional Total (COT) da atividade aumentaram de 1% a 0,6%, respectivamente, em janeiro na comparação com os gastos de dezembro de 2010, nona alta consecutiva. As variações consideram a média ponderada dos estados de Goiás, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. A partir de abril, quando entra em vigor o salário mínimo de R$ 545, os gastos com mão de obra serão ainda maiores.

No mês de janeiro, o preço médio pago pelo leite teve leve alta de 1,2% (R$ 0,9 centavos por litro) em janeiro de 2011 na comparação com os valores praticados em dezembro de 2010. O valor de R$ 0,7294 por litro é referente à média ponderada praticada nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Bahia. Em relação a janeiro de 2010, o preço apresentou valorização nominal de 22%. No boletim, a CNA e o Cepea destacam que desde setembro de 2010, quando as fortes quedas deram espaço à estabilidade ou mesmo a pequenas altas, o valor médio subiu 5,4% em termos nominais, sem descontar a inflação.

Ainda no boletim, as duas entidades informam que o Índice de Captação de Leite calculado pelo Cepea (ICAP-Leite) fechou 2010 com aumento de 3,05% em relação a 2009. São apurados, por amostragem, os volumes médios diários captados nos estados da Bahia, Goiás, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e São Paulo. Nos três últimos estados e no Paraná, houve aumento de 4% e 6% na captação de leite no período. Em Goiás, houve diminuição. Em dezembro de 2010, o ICAP-Leite aumentou apenas 0,4% frente ao mês anterior, na média dos seis estados pesquisados.

Fonte: CNA

GO: 2º Goiás Leite reúne 400 produtores em Cabeceiras

Foto: Faeg

A segunda etapa do seminário 2º Goiás Leite foi iniciada ontem (4), no município de Cabeceiras, situado região nordeste de Goiás. O evento contou com a participação de 400 produtores e foi considerado um sucesso pela organização. A programação foi a mesma dos demais já realizados neste ano. A abertura ocorreu às 9h30, pouco depois às 10 horas foi realizado o painel 1, com a palestra “Melhoria da qualidade do leite para aumentar a renda do produtor”, proferida por Antônio Cândido Cerqueira Leite Ribeiro, da Embrapa Gado de Leite.

No período da tarde foi realizado o painel 2, com a palestra “Gestão da propriedade leiteira”, proferida por Sérgio Rustichelli Teixeira também da Embrapa Gado de Leite. O diretor tesoureiro da Faeg, Eurípedes Bassamurfo disse que a edição de Cabeceiras foi um sucesso, com público bastante participativo que acompanhou a programação até o final. “Pude ver que os produtores dessa região estão carentes de informação e de atenção das autoridades. Vi que eles tem muito interesse e como são em sua maioria pequenos produtores podem trabalhar muito na pecuária de leite aqui na região”, argumenta.

Eurípedes disse ainda que os produtores da região nordeste de Goiás precisam de mais amparo do Sistema Faeg/Senar e que ambas as casas vão trabalhar para levar informação e treinamento para aquela região. Ele destacou também a participação dos parceiros que auxiliaram no evento e falou que considera esse modelo de seminário ideal, em que parceiros e público têm a oportunidade de participar, tirar dúvidas e dar a opinião.

Hoje (5), o 2º Goiás Leite é realizado em Orizona, onde participam mais de 300 produtores. Amanhã, dia 6, será a vez de Bela Vista receber o evento.

Fonte: Faeg

Técnicas garantem alta produtividade de leite durante todo o ano

Foto: Emater-DF

“Vontade de trabalhar a gente tem e, aprendendo mais, o negócio vai para frente” disse o produtor familiar Alberto de Aquino, um dos participantes do Dia de Campo do projeto Brasília Leite Sustentável. O evento foi realizado nesse sábado (2), na unidade demonstrativa implantada na propriedade de Osmar Neves, na região de Sobradinho.

O Dia de Campo contou com cinco estações, onde os produtores puderam conferir os critérios para manejo e adubação em pastejo intensivo, o custo de produção da pastagem e do milho para silagem, a produção de silagem de alta qualidade, o histórico da implantação da unidade demonstrativa e o crédito rural.

Apesar de ser uma unidade recente, os produtores conseguiram perceber a diferença no sistema de produção. Em apenas dois hectares, é possível oferecer um pasto abundante para criar 10 animais e produzir milho para silagem, que servirá de alimento no período da estiagem. Ao invés de deixar as vacas soltas no pasto, elas ficam em piquetes, que são pastejados em sequência.  Assim, elas comem o capim sempre verde que é mais nutritivo. Isso diminui o custo com alimentação, aumenta a produtividade e facilita o manejo.

Osmar Neves Jr., filho do proprietário, relatou a importância de trabalhar junto com a assistência técnica. “Não adianta só a Emater vir ajudar. Depende de nós fazer com que o projeto tenha sucesso. Essa unidade demonstrativa é um ganho para toda a comunidade”, disse. A ideia é que com os resultados obtidos na propriedade de Osmar, os produtores seja incentivados a continuar com a produção leiteira e a implementar o sistema para a melhoria da produção.

Segundo o técnico da Emater-DF, Natal Gomes da Silva, dependendo da lactação do gado, o produtor pode  ter um rendimento de R$ 11 mil a R$ 33 mil por ano.

Tecnologia Social – Nas unidades demonstrativas do Brasília Leite Sustentável é aplicada a metodologia do projeto Balde Cheio – tecnologia finalista do Prêmio Fundação BB de Tecnologia Social 2009 e que faz uso de uma técnica simples e barata para os produtores de leite, com foco na alimentação do rebanho, principalmente, das vacas em lactação, sob sistema de manejo intensivo.

O Brasília Leite Sustentável é realizado por meio de um acordo de cooperação entre a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF), a Fundação Banco do Brasil, o Banco do Brasil/DRS, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Distrito Federal, a Secretaria de Agricultura, a Federação da Agricultura e Pecuária do DF, e a Cooperativa Agropecuária de São Sebastião.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social da Emater-DF

GO: Tecnoshow Comigo discute cenários para a pecuária de leite no Brasil

Com perspectivas de crescimento em 2011, setor leiteiro será analisado em palestra a partir do contexto mundial e local. Tema será abordado por pesquisador da Embrapa de Gado de Leite.

Oferta, demanda, preços, estruturas e dinâmica de custos de produção são tópicos que integram a palestra “Cenário atual e perspectivas para a pecuária de leite no Brasil”, que será ministrada no dia 16 de abril, a partir das 14 horas, no auditório principal do Centro Tecnológico Comigo (CTC), em Rio Verde/GO. O assunto será debatido na Tecnoshow Comigo 2011 pelo mestre em Economia Aplicada pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP) e pesquisador da Embrapa, Glauco Rodrigues Carvalho.

Segundo o palestrante, o objetivo é proporcionar, aos participantes da feira, análise que contribua para o direcionamento de estratégias empresariais e melhoria da competitividade do setor. Para isso, Glauco pretende apresentar a situação mundial do setor e, em seguida, abordar o mercado brasileiro de leite, observando diversos fatores e tendências do agronegócio leiteiro no Brasil.

Previsões

Para a Comissão Nacional de Pecuária de Leite (CNPL) da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o cenário que se desenha para esse ano é positiva. Dados da entidade apontam que a produção nacional de leite deverá crescer 3% em relação ao ano passado, o que equivale a 31.485 bilhões de litros a serem produzidos em 2011. A entidade prevê ainda que a demanda interna crescerá neste ano, como reflexo do aquecimento da economia brasileira, como o consumo interno per capita tendo acréscimo de 2%, com total de 164,5 litros ao ano.

Perfil do palestrante

Glauco Rodrigues é formado em Economia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e mestre em Economia Aplicada pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq/USP). Foi analista setorial no Jornal Gazeta Mercantil e consultor da Mendonça de Barros Associados na divisão de estudos setoriais. Foi professor universitário em cursos de microeconomia e organização industrial. Atualmente é pesquisador da Embrapa Gado de Leite e desenvolve trabalhos nas áreas de mercado nacional e internacional de lácteos, grãos e competitividade de sistemas agroindustriais.

Sobre a Comigo

A Cooperativa Agroindustrial dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano (Comigo) foi fundada em 1975, em Rio Verde, Sudoeste do estado de Goiás, por um grupo de cinqüenta produtores rurais. Na época, o objetivo era atender a demanda por armazenagem de arroz (principal produto) e milho, e ainda fornecer insumos básicos como sacaria, fertilizantes, sementes e óleo lubrificante.

Reconhecida em todo o Brasil, a Comigo está enquadrada entre as dez principais cooperativas do país, sendo a primeira do Centro-Oeste.Tornou-se um dos maiores complexos agroindustriais de Goiás. Possui lojas agropecuárias de insumos e unidades armazenadoras de grãos em 12 municípios, atendendo a todo o Sudoeste goiano. O número de funcionários diretos é de aproximadamente 1.800 e, com os empregos terceirizados, pode alcançar cerca de 5 mil. Mais de 5 mil cooperados compõem o quadro social da Cooperativa.

Sobre a Tecnoshow Comigo

Desde 2002, a Comigo começou um trabalho de geração e difusão de tecnologias agropecuárias, em Rio Verde, numa área que hoje ultrapassa 130 hectares, e também para atuar no campo da pesquisa de soja, algodão, milho, trigo, fruticultura, pastagens, entre outros. A Tecnoshow Comigo é uma grande vitrine para mostrar o que há de melhor destas tecnologias e é realizada em uma área de 60 hectares. No local, a Cooperativa promove experiências tecnológicas o ano todo, em parceria com diversas instituições de pesquisa, de ensino e outras empresas, visando auxiliar o produtor rural, particularmente o seu cooperado.

Ficha Técnica

Tecnoshow Comigo 2011

Local: CTC – Rio Verde – GO (Anel Viário Paulo Campos, Km 7, Zona Rural)

Período: 12 a 16 de abril de 2011

Horário: 8 às 18 horas

Serviço

Geração e Difusão de Tecnologias Agropecuárias, Exposição e Dinâmicas de Máquinas e Equipamentos, Palestras, Exposição de Animais e Dinâmicas de Pecuária.

Entrada: Gratuita

Site: http://www.tecnoshowcomigo.com.br

Fonte: Tecnoshow Comigo