MG: assentado de Paracatu tem boas perspectivas com produção de cabaça

Assentado Lourival Araújo (direita) comemora resultados da Agriminas - Foto: Divulgação/Emater-MG

Na expectativa de conquistar novos mercados para os próprios produtos, o agricultor familiar Lourival Araújo, do Projeto de Assentamento (PA) XV de Novembro, em Paracatu, Noroeste de Minas, ainda comemora os bons resultados da participação na 6ª Feira da Agricultura Familiar de Minas Gerais (Agriminas),  e faz planos para aumentar a produção. A feira foi realizada pela Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg),  no período de 18 a 21 de agosto, em Belo Horizonte.

“Em seis participações, esta foi a melhor. Vendi mais de 4 mil cabaças, entre peças de artesanato e  matéria-prima (sem valor agregado) . O faturamento, em torno de R$ 6 mil, foi muito bom. Além de vender, conseguimos fazer muitos contatos para o futuro”,  afirma Araújo. Segundo o agricultor, só no primeiro dia de funcionamento da Agriminas, foram vendidas 600 cabaças para um comerciante de São Paulo. “Também vendi sementes de cabaças para compradores do Maranhão e peças para interessados do Rio de Janeiro”, acrescenta.

Além de  saber trabalhar coletivamente, como membro da Associação do PA  –  grupo que reúne mais de dez pessoas da localidade – Lourival Araújo, também conhecido como Lourinho, mostra que o empreendedorismo é uma realidade na agricultura familiar.  “Vou ter de aumentar a produção de cabaças, por isso estou buscando sócios e selecionando sementes”, revela. Hoje os variados tipos de cabaça que Araújo cultiva ocupam uma área de três hectares no assentamento e são plantados em consórcio com outras culturas, entre elas, mandioca, feijão guandu e abacaxi. E as variedades das cucurbitáceas têm ainda a vantagem de serem cultivadas com adubos orgânicos.

“Ele planta mais de  20 tipos de cabaça, com formas e tamanhos variados, e faz um artesanato muito criativo. A gente orienta. Temos por exemplo,  a preocupação de ensinar como evitar cruzamento entre as espécies para não haver mutações e prejudicar o trabalho dele. Sugerimos o plantio em lotes e com outras culturas”,  explica o agrônomo Mauro Ianhez, do escritório local da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG). A empresa, vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), presta assistência ao agricultor e a outras 72 famílias do PA.

Com o ânimo renovado pelo bom desempenho da mostra na Agriminas, o agricultor de Paracatu se prepara agora para a próxima Feira Nacional de Agricultura Familiar e Reforma Agrária (Fenafra). “Acabei de fazer inscrição e estou torcendo para ter meu trabalho selecionado. Pretendo levar 1.050 peças de artesanato em cabaça”, informa. Segundo o Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA), responsável pela realização do evento, a feira será realizada no mês de novembro, “provavelmente em Brasília”.

Diversificação

Adepto da diversificação das atividades rurais, Araújo também conta com os serviços da Emater-MG em outros projetos como: plantio de eucalipto, formação de pastagem, produção de polpas de frutas do Cerrado, farinha, mel e rapadura.

Em todo o Estado a Emater-MG atende 8.320 famílias de assentados, em 150 assentamentos, por meio de contrato com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA). Destas famílias, 531 são de oito assentamentos do município de Paracatu.

Fonte: Emater-MG

MG: Agriminas mostra força produtiva da Agricultura Familiar e Reforma Agrária

O produtor de farinha de mandioca Arthur Ferreira Lima, do assentamento Campo Belo, em Campina Verde (MG), trouxe cerca de cinco mil pacotes de farinha temperada e biju. Foto: Incra/MG

No dia do lançamento do Plano Safra em Minas Gerais, nesta quinta-feira (18), o ministro do Desenvolvimento Agrário (MDA), Afonso Florence, visitou a 6ª Feira de Agricultura Familiar de Minas Gerais (Agriminas), que vai até o dia 21 de agosto, em Belo Horizonte. Florence foi recebido pelo Secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento estadual, Elmiro Alves do Nascimento, e visitou estandes de produtores de café, cachaça, derivados de milho e queijo.

Na abertura da Agriminas, que contou com a presença do secretário de Desenvolvimento Territorial Jerônimo Souza, o secretário da Agricultura Familiar, Laudemir Müller, falou da força da agricultura familiar no estado. O setor representa 80% dos estabelecimentos agrícolas e ocupa mais de metade dos trabalhadores rurais em Minas Gerais.

O ministro elogiou a Agriminas que chega a sexta edição com uma mostra importante da produção local, com os produtos regionais. “É uma mostra da força econômica da agricultura familiar”, disse.

A sexta edição Feira da Agricultura Familiar de Minas Gerais acontece na Serraria Souza Pinto na capital do estado e é promovida pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Minas Gerais (Fetaemg). A entidade reúne cerca de 1,2 milhão de trabalhadores rurais.

Durante quatro dias cerca de 130 empreendimentos da agricultura familiar de várias regiões do Estado mostram aos empresários da rede varejista e de atacado e aos consumidores a diversidade e qualidade dos produtos da agricultura familiar: desde produtos básicos como café, feijão e farinhas, a hortaliças diversas, queijos, diversos tipos de cachaça, doces, biscoitos, temperos e artesanato.

Nesta edição, reafirmamos o potencial da nossa Feira como importante evento para o fomento das atividades do setor e, principalmente, para a abertura de novos mercados para os produtos da agricultura familiar mineira”, afirma o presidente da Federação dos Trabalhadores da Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg), Vilson Luiz da Silva. Vilson ressalta que Minas Gerais representa o segundo estado brasileiro com maior concentração de estabelecimentos familiares produtivos, perdendo apenas para Bahia. Além disso, Minas conta com uma variedade de produtos como milho, doces, cachaças, leite e seus derivados, tradicionais no mercado, e outros que já começam a ganhar representatividade como o arroz, café, mandioca e derivados.

Assentados expõem produção

A agricultora Anailza Ribeiro do assentamento Divisa, em Ituiutaba (MG), levou para a exposição a produção de bonecas de trapos feitas pelas mulheres da comunidade. “A gente reuniu as mulheres há três anos e estudou uma atividade para aumentar a renda de nossas famílias” explica. É a segunda vez que elas participam da feira. O preço das bonecas varia de R$10 a R$50.

O produtor Pedro Amauri de Oliveira expõem a produção de subprodutos da cana-de-açúcar do assentamento Betinho, em Bocaiúva (MG). São rapadurinhas, melaço, açúcar mascavo e cachaça produzidos com a cana plantada no assentamento. “A importância da feira é trazer o produto do pequeno agricultor ao pessoal da cidade e ter o reconhecimento das pessoas ao trabalho feito pelos assentados” destaca.

Os assentados do XV de novembro, em Paracatu (MG), levaram para Belo Horizonte artesanatos feitos em cabaça. Eles ficaram conhecidos na feira já que participaram de todas as edições. “A produção de cabaça é renovável e nos possibilita desenvolver uma imensidão de artesanatos”, explica Lourival de Caldas. Apenas no primeiro dia foram vendidas 600 cabaças para um comerciante de São Paulo. “Além de vender na feira conseguimos fazer muitos contatos para vendas futuras” ressalta.

A muçarela de búfala do produtor Ricardo Alves e sua família, do assentamento Dandara, em Uberaba (MG), está sendo exposta pela primeira vez na Agriminas, mas já fez sucesso em outras feiras como a Superagro 2011, também realizada em Belo Horizonte. “Com as feiras tornamos nosso produto conhecido e, agora, já pensamos em dobrar a produção para atender os pedidos que temos recebido”, planeja o assentado.

O produtor de farinha de mandioca Arthur Ferreira Lima, do assentamento Campo Belo, em Campina Verde (MG), trouxe cerca de cinco mil pacotes de farinha temperada e biju. Os artesãos do assentamento Cafundão, que fica em Mariana (MG), expõem os tradicionais artesanatos em pedra sabão e sisal. A novidade deste ano é a panela de pressão em pedra sabão que de acordo com a assentada Sandra Veloso Oliveira tem feito bastante sucesso.

Fonte: MDA

MG: Plano Safra disponibiliza R$ 2,1 bilhões em créditos para agricultura familiar

Foto: Fred William/MG

“A Agriminas mostra famílias de agricultores familiares que estruturaram sua produção acessando o Pronaf, assistência técnica e políticas de incentivo à comercialização. Os recursos do Plano Safra têm esse propósito, consolidar a presença desses agricultores no mercado.” A afirmação foi feita pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Afonso Florence, na tarde desta quinta-feira (18), durante visita à 6ª Feira da Agricultura Familiar de Minas Gerais (Agriminas), em Belo Horizonte (MG).

Pela manhã, em solenidade realizada na Assembléia Legislativa, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) lançou o Plano Safra da Agricultura Familiar 2011-2012 para Minas Gerais, que disponibiliza R$ 2,1 bilhões para ações do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) no estado, sendo R$ 900 milhões para operações de investimento e R$ 1,2 bilhão para operações de custeio. Os recursos estão disponíveis nas instituições financeiras desde 1º de julho.

“Fazer chegar assistência técnica efetiva, estruturar a produção, promover a comercialização e a conseqüente geração de renda são as metas do Ministério”, explicou o secretário nacional de Agricultura Familiar, Laudemir Müller. O secretário destacou medidas do Plano Safra como a redução de juros (de no máximo 2% para as linhas de investimento do Pronaf), ampliação dos limites de crédito e ampliação de recursos para melhoria da assistência técnica e extensão rural (ATER). Para Minas Gerais estão previstos R$ 22,1 milhões para qualificar a ATER, os serviços de acesso a tecnologias de gestão e organização produtiva de jovens, mulheres e comunidades tradicionais.

“A produção de agricultores e agricultoras é uma forma de combater a pobreza no campo”, ressaltou Müller, lembrando que 80% dos estabelecimentos agrícolas de Minas Gerais são da agricultura familiar e que este segmento é responsável por 60% da ocupação de pessoal no meio rural.

Desenvolvimento territorial

O secretário de Desenvolvimento Territorial (SDT) do MDA, Jerônimo Souza Rodrigues, destacou que Plano Safra propicia o avanço da produção de alimentos no país e a geração de renda em unidade com o meio ambiente. Para o secretário, o desafio é qualificar a gestão de projetos de desenvolvimento para o setor familiar. “Em Minas Gerais temos 12 territórios da Cidadania e Rurais. Devemos discutir as ações nesses territórios, fazer com que os projetos estejam afinados dentro da política de desenvolvimento territorial.”

Nesta safra, o MDA vai destinar, por meio da SDT, R$ 4,5 milhões para Minas Gerais. São R$ 300 mil para cada território no Estado e R$ 900 mil para ações do Plano Brasil Sem Miséria no Território Serra Geral.

Também participaram da audiência realizada na Assembléia Legislativa o presidente do Incra, Celso Lisboa, o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, Elmiro Alves do Nascimento, o subsecretário Edmar Gadelha, o vice-presidente da Emater/MG, Marcelo Lana Franco, o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do estado de Minas Gerais (Fetaemg), Vilson Luiz da Silva, e o diretor estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, Sìlvio Neto.

Política de apoio à comercialização, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) será reforçado em Minas Gerais. No ano de 2011, o PAA disponibiliza para o governo do estado e prefeituras municipais o valor de R$ 69,2 milhões. Além disso, o programa, por meio da Conab, vai investir R$ 224 milhões este ano em todo o Brasil.

Minas Gerais

Desde o dia 1º de julho, as agências dos bancos que operam o Pronaf em Minas Gerais já estão acolhendo propostas de agricultores. Das 470 agências do Banco do Brasil, 370 já têm no mínimo um contrato de Pronaf. No estado, o índice de inadimplência do Pronaf é de apenas 1,3%.

Crédito Fundiário

Serão beneficiadas também 57 novas famílias com o Programa de Crédito Fundiário, coordenado pela Secretaria de Reordenamento Agrário (SRA). Estas famílias receberão uma área total de 1.956 hectares, o que corresponde a recursos da ordem de R$ 5,6 milhões. Este ano 111 famílias do estado de Minas Gerais já se tornaram proprietários de terra com apoio do Programa.

Arca das Letras

O ministério também vai implantar 100 novas bibliotecas rurais no estado, com formação de 200 agentes de leitura em comunidades rurais dos territórios Médio Jequitinhonha, Alto Jequitinhonha, Serra Geral e Vale do Mucuri.

A agricultura familiar

Em Minas Gerais, existem 437.415 estabelecimentos da agricultura familiar, o que corresponde a 79% dos estabelecimentos agropecuários do estado. Eles ocupam 27% da área total dos estabelecimentos agropecuários e são responsáveis por 62% do pessoal ocupado no meio rural (1.177.116) e 32% do Valor Bruto da Produção Agropecuária do estado. A agricultura familiar responde por 84% da produção de mandioca, 32% da produção de feijão, 44% do arroz em casca, 32% do café, 28% de aves e 31% dos suínos no estado.

O Censo Agropecuário do IBGE aponta que a agricultura familiar brasileira conta com mais de 4,3 milhões de unidades produtivas, o que corresponde a 84% do número de estabelecimentos rurais do Brasil. Este segmento produtivo responde por 10% do Produto Interno Bruto (PIB), 38% do Valor Bruto da Produção Agropecuária e 74,4% da ocupação de pessoal no meio rural (12,3 milhões de pessoas).

Fonte: MDA

MG: AgriMinas 2011 apresenta potencial da agricultura familiar mineira

Belo Horizonte/MG – Uma boa oportunidade de comercialização. É o que promete a 6ª Feira da Agricultura Familiar de Minas Gerais (AgriMinas). O evento é promovido pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg) e acontece entre os dias 18 e 21 de agosto, em Belo Horizonte. Além de ser um espaço de divulgação e comercialização da agroindústria familiar mineira, a feira também vai levar conhecimento ao produtor com a realização de encontros técnicos.

De acordo com a Fetaemg, cerca de 125 empreendimentos da agricultura familiar de Minas Gerais  participam da Agriminas 2011. Durante quatro dias, serão apresentadas algumas das principais cadeias produtivas do Estado, como a do café,  arroz e feijão. O público terá acesso ainda a outras delícias mineiras, como o tradicional queijo de Minas artesanal, biscoitos, mel, doces, licores e cachaças. O artesanato mineiro também será destaque com suas peças feitas com palha de milho, fibra de bananeira, couro, pedras e bambu.

“O público vai conhecer o campo sem sair da cidade. É o momento das pessoas que não têm uma ligação com a roça de levar a família e convidar os amigos para conhecer como é produzido aquilo que consomem em casa”, conta o presidente da Fetaemg, Vilson Luiz da Silva.

A Emater-MG vem desenvolvendo papel importante com relação à participação dos agricultores familiares na Agriminas. A empresa trabalha na mobilização dos produtores por meio de seus escritórios locais nos municípios. “A Emater trabalha apoiando esses agricultores na formatação e na organização desses estandes e na adequação dos produtos para a feira”, diz a coordenadora técnica estadual da Emater-MG, Cristina Linhares.

Segundo a coordenadora, a expectativa é que os agricultores familiares consigam atingir um volume desejado de vendas. Linhares lembra que a Agriminas também é importante para que os expositores façam contatos de mercado. “Que estabeleçam contatos com fornecedores para que a inserção deles no mercado se dê de forma mais contínua. A feira tem que ser uma abertura de negócios futuros para os agricultores participantes”, afirma Cristina Linhares.

Durante o evento serão abordados temas, como “A importância da Agricultura Familiar na Segurança Alimentar e Nutricional no campo”, “Agricultura Familiar na produção de alimentos para a Alimentação Escolar saudável” e “Legislação Tributária para os produtos da Agricultura Familiar no Estado de Minas Gerais”. A participação nas palestras e debates vai ajudar os agricultores a esclarecerem suas dúvidas.

Os visitantes  poderão ver de perto a tecnologia de fabricação de queijos e iogurtes. O público poderá acompanhar na miniusina Via Láctea todas as etapas de produção de laticínios em pequena escala.

A estimativa da Fetaemg é que a Agriminas 2011 receba cerca de 30 mil visitantes. A feira acontece na Serraria Souza Pinto, em Belo Horizonte. Mais informações pelo site

www.fetaemg.org.br/agriminas2011/ ou pelo telefone: (31) 3073-0000.

Fonte: Emater-MG