DF: metodologia participativa ensina produtores a avaliar a saúde do solo

Divulgação

Divulgação

Quando se trata de metodologia participativa, a observação é um fator essencial para se obter sucesso na avaliação da saúde do solo. Com indicadores precisos e práticos, o próprio agricultor pode compreender as características do solo para, então, pensar em estratégias para melhorar sua qualidade. Continuar lendo

Produtores que conservam água e solo no DF serão remunerados

Acordo de cooperação para adoção do programa Produtor de Água, que pagará pela implantação de boas práticas ambientais na bacia do ribeirão Pipiripau, é assinado nesta quinta (1)

Para que a água chegue às cidades, é preciso que as nascentes estejam preservadas. Sabendo disso, a Agência Nacional de Águas (ANA) criou o programa Produtor de Água, que remunera produtores rurais que conservam nascentes localizadas em suas propriedades. Nesta quinta-feira, 1º de dezembro, às 14h, representantes de 13 instituições se encontrarão na sede da ANA para assinar o acordo de cooperação técnica que dará início aos trabalhos do programa na bacia do ribeirão Pipiripau, que engloba parte do Distrito Federal e Goiás. O ribeirão é responsável pelo abastecimento de Planaltina e Sobradinho (DF). A Emater-DF é uma das entidades parceiras do projeto.

O acordo terá duração de dez anos e a iniciativa prevê investimentos que somam R$ 40 milhões que começam a ser desembolsados já em dezembro. Desse valor, R$ 10 milhões serão destinados ao pagamento por serviços ambientais prestados por produtores rurais, como: plantio de matas ciliares e proteção de nascentes. Todos os agricultores e pecuaristas que possuem propriedades na bacia do ribeirão Pipiripau poderão se inscrever.

Os editais para inscrição serão divulgados em breve. O restante dos recursos será aplicado em restauração florestal, conservação de solo e recuperação do Canal Santos Dumont, utilizado principalmente por agricultores da região — iniciativas que já começam a ser adotadas em dezembro.

O Produtor de Água no Pipiripau também tem como objetivos: recuperar e manter preservados cerca de 1.000 hectares de Áreas de Preservação Permanente (APP) e 1.663 hectares de áreas de reserva legal (aquelas dentro das propriedades as quais podem ser usadas de modo sustentável e que visam a contribuir para a preservação do bioma), por meio do plantio de 1,44 milhão de mudas nativas do Cerrado.

Além disso, o programa tem a meta de conservar 14.800 hectares de solo, utilizando técnicas sustentáveis de agropecuária, como: construção de terraços e barraginhas. Também será desenvolvida na região a readequação de 876km de estradas vicinais (de terra), que serão transformadas em estradas ecológicas.

Como resultados, o Produtor de Água espera a melhoria da qualidade da água, com a redução da erosão e da sedimentação; a adequação ambiental das propriedades rurais, tornando sustentáveis as práticas agropecuárias locais; e a regularização da oferta de água, por meio da adequada alimentação do lençol freático, o que poderá reduzir os conflitos pelo uso da água na bacia, que são frequentes devido à escassez provocada pelo período de seca e pelo uso intensivo do recurso.

Características da bacia — Ocupando uma área total de 23.527 hectares, a bacia do ribeirão Pipiripau localiza-se predominantemente do nordeste do Distrito Federal (90,3%), na divisa com o município de Formosa (GO). Nesta bacia concentram-se diversas atividades de interesse da sociedade, como: produção de frutas, hortaliças, grãos, carnes, lazer, proteção ambiental e captação de água para abastecimento de 180 mil habitantes de Planaltina (DF). As áreas de agricultura somam, no total, 13.337 hectares (71% da bacia), sendo que as propriedades do Núcleo Rural Santos Dumont, abastecidas pelo Canal Santos Dumont, estão entre os maiores usuários da água local.

Programa Produtor de Água — Criado em 2001 pela Agência Nacional de Águas, o Produtor de Água foi concebido para reverter a situação de bacias hidrográficas em que o uso inadequado do solo e dos recursos naturais degradaram os recursos hídricos. Os projetos que compõem a iniciativa são voltados a produtores rurais que se proponham, voluntariamente, a adotar práticas e manejos conservacionistas em suas propriedades visando à conservação de água e solo.

O programa prevê o apoio técnico à execução de ações de preservação de água e solo, além do pagamento de incentivos (compensação financeira e outros) aos produtores rurais que comprovadamente contribuam para a proteção e recuperação de mananciais, gerando benefícios para a bacia e sua população. No País há 14 projetos em andamento.

As seguintes instituições realizam o Produtor de Água na bacia do Pipiripau: Agência Nacional de Águas (ANA); Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa); Ministério da Integração Nacional (MI); Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb); Secretaria de Estado de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Distrito Federal (Seagri-DF); Instituto Brasília Ambiental (Ibram); Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF); Fundação Banco do Brasil (FBB); Banco do Brasil (BB); Fundação Universidade de Brasília; The Nature Conservancy (TNC); WWF-Brasil; e Serviço Social da Indústria (Sesi).

Fonte: Agência Nacional de Águas (ANA)